Você conhece os vários tipos de marketing que existem hoje? Neil Patel, uma das referências no assunto, listou os 15 principais em seu blog, relacionados a seguir:

  • Marketing Digital;
  • Marketing Tradicional;
  • Marketing Direto;
  • Marketing de Relacionamento;
  • Marketing de Guerrilha;
  • Marketing Verde;
  • Marketing Institucional;
  • Marketing Social;
  • Marketing de Conteúdo;
  • Inbound Marketing;
  • Outbound Marketing;
  • Marketing Viral;
  • Mobile Marketing;
  • Video Marketing;
  • Marketing de Afiliados.

Mas o próprio Patel reconhece: falar em todos os tipos é inviável, afinal, são muitos que já existem e outros tantos surgem a todo momento. Isso porque o marketing acompanha as tendências de mercado e novas ações são pensadas o tempo todo de acordo com o que as empresas precisam.

Tanto é que a Rock Content, outra referência no assunto, lista nada menos que 83 tipos que podem ser aplicados em várias estratégias diferentes.

Neste texto, nós queremos apresentar para você apenas alguns deles – não os mais relevantes, porque tudo depende de estratégia, mas aqueles que podem abarcar outros nos meios digitais.

Tipos de marketing online e offline

Por mais que se fale muito no marketing digital atualmente (tanto é que a Átomo Online é uma agência focada só nisso!), não podemos diminuir a importância do marketing offline – que algumas pessoas chamam de tradicional. 

Definir a melhor estratégia para sua empresa depende de diversos fatores, como a construção da sua marca, o produto ou serviço que você vende, onde está seu público e outros dados que são levantados num briefing detalhado feito pela agência contratada.

Entretanto, por mais que a gente separe as ações em online e offline, concordamos que hoje é um pouco difícil fazer essa distinção, não é? Afinal, estamos conectados o tempo todo e, às vezes, algo pensado para acontecer offline acaba viralizando na internet. Este é um claro exemplo de que as ações se interseccionam e complementam o tempo todo.

Agora, continue lendo para conhecer os tipos de marketing que abraçam os demais.

Marketing tradicional

Como o nome sugere, é aquele que muitos de nós já conhecemos e associamos automaticamente à ideia de marketing. Em outras palavras, são os outdoors, anúncios em televisão, rádio e mídia impressa, além de panfletagem e merchandising.

Apesar de algumas pessoas considerarem uma forma antiquada de divulgação de marca, reforçamos que tudo depende da estratégia. Alguns produtos ou serviços têm um consumidor que não está nas redes sociais – às vezes, nem na internet. Idosos, por exemplo, ainda têm o hábito de ver televisão ou ler jornal impresso.

Mas esse não é o único critério. Vamos pensar num restaurante pequeno, recém-aberto, que não tem estrutura para atender muitas pessoas. Não é interessante para o dono, a princípio, alcançar um raio muito grande de clientes. Ele pode, é claro, usar estratégias digitais, mas a panfletagem também é interessante para a divulgação do negócio.

Por fim, uma das desvantagens do marketing tradicional é o preço. Para funcionar, é fundamental que o cliente tenha um orçamento bem planejado, ou será dinheiro jogado fora. Isso, porém, serve para qualquer estratégia, concorda?

Outra desvantagem é calcular métricas e analisar resultados. Um outdoor ou uma propaganda de televisão são excelentes maneiras de colocar uma marca ou produto em evidência, todos concordam. Mas é impossível saber com precisão quantas pessoas chegaram até essa marca ou produto devido às propagandas.

E aí entra o marketing digital… quer saber mais? Continue lendo!

Marketing digital

Ganhando destaque entre empresas de todos os tamanhos e já apontado como uma dos mercados do futuro, o marketing digital surge como uma alternativa viável de divulgação de produtos e serviços para muitos empreendedores.

Isso porque é evidente que a internet está cada vez mais presente na vida dos consumidores e dos negociantes, o que a torna um ótimo meio para se trabalhar produtos, serviços e a construção de marca, e sua atuação é predominantemente na internet.

Só que, apesar de a ideia parecer bem simples, pense em todas possibilidades que a internet traz. São infinitas formas de se trabalhar a divulgação de um mesmo produto ou serviço e outras surgem conforme as demandas do mercado aparecem.

A primeira coisa que é preciso ter em mente quando se pensa nos tipos de marketing digital é que essa modalidade surgiu para suprir uma necessidade que as antigas formas não davam conta: focar em pessoas, e não em produtos.

Tanto é que a própria ideia de “persona” surgiu com o marketing digital!

Por ser muito mais dinâmico, ele proporciona aos usuários um contato direto com a marca, trazendo interatividade. Em outras palavras, para vender produtos, empresas agora valorizam a experiência do usuário durante a sua jornada de compra.

E isso acontece de várias formas… 

Tipos de marketing digital: vídeo, mobile, e-mail…

Neil Patel afirmou: o conteúdo em vídeo vai dominar 80% do que se vê na internet em um futuro próximo. E, como é esperado, o marketing já está acompanhando essa tendência.

Dessa maneira, podemos afirmar que o vídeo vem com força como um dos tipos de marketing digital – não do futuro: do presente.

Além disso, o mobile marketing também uma tendência forte no mercado, já que a maioria dos usuários de internet hoje o faz por telefone móvel. Assim, redação adaptada para ter mais legibilidade em telas pequenas é só um jeito de pensar no mobile marketing. Aqui entram também o desenvolvimento de aplicativos, jogos para celular, mensagens de SMS…

Outras formas de fazer marketing digital são por e-mail, redes sociais, conteúdo viral… enfim, tudo o que encontramos na internet pode ser usado para divulgar serviços.

Se você continuar lendo, vamos desenvolver um pouco mais sobre o assunto e contar mais sobre o trabalho que fazemos aqui na Átomo Online.

Outbound marketing

No entanto, antes de falar dos serviços aqui da Átomo, vamos contar sobre um dos tipos de marketing que nós não desenvolvemos: o outbound.

Você provavelmente já o conhece, mas com outro nome. De uma forma bem simplificada, o outbound marketing é aquele que busca o cliente em vez de o atrair. Em outras palavras, em vez de deixar o cliente concluir que sua marca é a melhor opção, você conta isso a ele.

Um exemplo bem clássico, só para ilustrar, é o de telemarketing ativo: operadores ligam para as pessoas potencialmente interessadas no produto e o oferecem.

E você não está errado se pensou que talvez seja uma forma em desuso. É claro que, como não cansamos de lembrar, tudo depende da estratégia. E por certo pode ser que, para alguns serviços, o outbound faça sentido.

Porém a ideia de interromper o potencial consumidor acaba pegando mal, já que as pessoas já estão fartas de propagandas em momentos indesejados.

Inbound marketing

O inbound, por sua vez, é o oposto do outbound marketing. Nesse caso, o trabalho da marca é o de informar o público que o produto ou serviço dela é a melhor opção do mercado. Ou seja: é o marketing de atração.

Toda a ideia do inbound marketing parte principalmente de construir uma boa relação entre a marca e o cliente, de forma que ele, por sua própria vontade, procure pela empresa quando precisar dos serviços que ela oferece, seja porque reconhece nela uma autoridade no nicho ou qualquer outro motivo.

E isso pode acontecer de várias maneiras!

Assim, a estratégia do marketing de atração é baseada na criação de conteúdos diversos que comuniquem com a persona (olha ela aqui de novo) da empresa. E muito se engana quem pensa que isso se limita à publicação em redes sociais – essa é só uma parte da estratégia.

Em outras palavras, para você aproveitar tudo o que o inbound marketing pode oferecer para sua empresa, é necessário entender seu funil de vendas e a jornada de compra do cliente.

E por quê? Continue lendo para entender!

Funil de vendas

É bastante simples: o funil de vendas é o que vai determinar a etapa da jornada de compra do seu cliente. Ele é importante porque o inbound, entre os tipos de marketing, é aquele mais direcionado para vendas. Nós já falamos sobre funil aqui, mas vamos resumir. Para começar, pense em ao menos três momentos:

  1. Topo do funil – aprendizado e descoberta.
  2. Meio do funil – consideração e intenção.
  3. Fundo de funil – avaliação e decisão.

Isso significa que, em cada etapa do funil, seu potencial cliente tem uma relação diferente com o seu produto ou serviço. Então, o que você o apresenta também precisa ser diferente. 

Vamos entender cada uma delas:

O topo do funil corresponde ao início da jornada de compra. Nele, você vai mostrar o que sua empresa oferece entendendo que é algo totalmente novo para ele. Aqui, entram as postagens em redes sociais, posts em blogs, vídeos e todo material que servir para que seu trabalho seja conhecido.

Já o meio do funil é uma etapa em que seu cliente já conhece e se interessou pelo produto, mas ainda não está certo sobre a compra. Por isso, o trabalho é mostrar como você tem a melhor solução para suas dores. E você pode fazer isso produzindo material rico: e-mails segmentados ou ebooks, por exemplo. É um bom momento para coletar dados dos seus visitantes e, posteriomente, torná-los leads qualificados.

Por fim, o fundo do funil é a hora de convencer seu cliente a escolher a sua empresa. Pense: ele já chegou até aqui e confia no seu produto. Mas pode estar de olho em muitas outras empresas que oferecem algo similar. Portanto, sua missão é fazer com que ele opte pelo seu, e não pela concorrência.

Aproveite e leia: 5 dicas para ajudar a sua empresa a contratar vendedores de sucesso

Ou seja: a jornada não acaba no fundo do funil. Nessa etapa, você não deve entender que o lead já é um cliente certo. Por isso, o conteúdo precisa ser aliado a um bom time de vendas para surtir o efeito desejado!

Inbound marketing e marketing de conteúdo são iguais?

Ok, você já conheceu mais sobre o inbound marketing e leu a palavra “conteúdo” muitas vezes… então pode assumir que são tipos de marketing iguais, com nomes diferentes, certo?

Sem dúvida, eles têm coisas em comum. Mas não são iguais.

O mais correto seria dizer que desenvolver conteúdo é apenas uma das maneiras de se utilizar o inbound marketing. Como explicamos acima, o marketing de atração busca mostrar para o cliente que seu produto e sua marca são as melhores escolhas para ele e o desenvolvimento do conteúdo é apenas uma das maneiras de fazer isso.

Em outras palavras, as de Neil Patel, ele é uma estratégia “focada em produzir e distribuir conteúdo relevante para o público-alvo […]. Um importante braço de uma estratégia maior chamada marketing de atração.”

A maior diferença, portanto, é que o inbound é um dos tipos de marketing direcionado para vendas – lembra da jornada de compra? – e o desenvolvimento de conteúdo é apenas uma estratégia.

Ficou claro?

Agora que você já conhece os tipos de marketing, tenha uma estratégia para sua empresa

Você leu tudo até aqui e entendeu sobre os tipos de marketing mais importantes. Mesmo assim, é bem possível que ainda esteja em dúvida sobre como aplicar na sua empresa – e você nem é obrigado a saber!

Afinal, o conhecimento pode ser muito bom para te livrar de charlatões ou de pessoas prometendo aquilo que não podem cumprir (e elas sabem disso!), mas não necessariamente capacita para colocar em prática aquilo que você entendeu na teoria.

Por isso, as agências de marketing estão à disposição para desenvolver a melhor estratégia para o seu negócio. Se você achou que as campanhas em meios digitais são as que te atendem bem, a Átomo Online está à disposição para fazer uma avaliação da sua empresa e definir com você a melhor maneira de divulgar seu serviço na internet.

Share:

Redatora da Átomo Online, é formada em Letras e divide a paixão por textos – todos eles! – com a por gatos, patins e tatuagens.